Perdão judicial

"Predomina na doutrina atual o entendimento de que a punibilidade não é elemento do delito, mas uma conseqüência sua. De modo que existem vários casos no ordenamento penal nos quais, apesar da conduta ser típica, antijurídica e culpável, não se aplica pena por razões estranhas à existência do d...

Full description

Main Author: Aguiar, Leonardo Augusto de Almeida
Format: Livro
Language: Português
Published: 2007
Subjects:
Online Access:
id oai:bdjur.stj.jus.br.BDJURr1:oai:localhost:2011-9960
recordtype stj
spelling oai:bdjur.stj.jus.br.BDJURr1:oai:localhost:2011-99602017-06-20 Perdão judicial Aguiar, Leonardo Augusto de Almeida Perdão judicial, Brasil Perdão judicial, história Perdão judicial, Itália Perdão judicial, Alemanha Perdão "Predomina na doutrina atual o entendimento de que a punibilidade não é elemento do delito, mas uma conseqüência sua. De modo que existem vários casos no ordenamento penal nos quais, apesar da conduta ser típica, antijurídica e culpável, não se aplica pena por razões estranhas à existência do delito, mas justificáveis na teoria da própria coerção penal. O perdão judicial, objeto desta reflexão, é uma dessas hipóteses. Através desse substitutivo penal é dado ao juiz o poder discricionário de renunciar, em nome do Estado, ao direito de punir, em hipóteses limitadamente enumeradas pela lei, deixando assim de aplicar a pena ao autor de um crime, implicando isso na extinção da punibilidade. As origens do instituto se fincam na graça, a ponto de podermos afirmar que dela o perdão judicial deriva. São a política criminal, o cristianismo e a diminuta culpabilidade que fundamentam o instituto estudado, e suas principais funções são a de racionalização e adequação da reprimenda, socialização do indivíduo e individualização da sentença penal. A sentença de mérito que o aplica classifica-se como constitutiva. O instituto está presente em sete dispositivos da Parte Especial do vigente Código Penal brasileiro, e ainda em mais outras oito hipóteses legais, sendo que essas quinze espécies constituem cinco classes nas quais podem ser agrupadas: Pena privada, Poena naturalis, Bagatela, Relevante valor moral e Colaboração Premiada. Em sua escalada evolutiva o perdão judicial, a par de se mostrar presente em cada vez mais dispositivos, vem se tornando uma causa genérica de extinção da punibilidade, sendo que cremos ser esse o rumo dos seus próximos passos, quiçá chegando até mesmo a consubstanciar uma flexibilização do direito de punir." 2007-09-27T17:37:42Z 2007-09-27T17:37:42Z 2004 Livro AGUIAR, Leonardo Augusto de Almeida. Perdão Judicial.BDjur, Brasília, DF. Disponível em: <http://bdjur.stj.jus.br//dspace/handle/2011/9960>. Acesso em: 26 set. 2007. http://bdjur.stj.jus.br/dspace/handle/2011/9960 pt_BR Open access Open access 3239528 bytes application/pdf
institution STJ
collection STJ
language Português
topic Perdão judicial, Brasil
Perdão judicial, história
Perdão judicial, Itália
Perdão judicial, Alemanha
Perdão
spellingShingle Perdão judicial, Brasil
Perdão judicial, história
Perdão judicial, Itália
Perdão judicial, Alemanha
Perdão
Aguiar, Leonardo Augusto de Almeida
Perdão judicial
description "Predomina na doutrina atual o entendimento de que a punibilidade não é elemento do delito, mas uma conseqüência sua. De modo que existem vários casos no ordenamento penal nos quais, apesar da conduta ser típica, antijurídica e culpável, não se aplica pena por razões estranhas à existência do delito, mas justificáveis na teoria da própria coerção penal. O perdão judicial, objeto desta reflexão, é uma dessas hipóteses. Através desse substitutivo penal é dado ao juiz o poder discricionário de renunciar, em nome do Estado, ao direito de punir, em hipóteses limitadamente enumeradas pela lei, deixando assim de aplicar a pena ao autor de um crime, implicando isso na extinção da punibilidade. As origens do instituto se fincam na graça, a ponto de podermos afirmar que dela o perdão judicial deriva. São a política criminal, o cristianismo e a diminuta culpabilidade que fundamentam o instituto estudado, e suas principais funções são a de racionalização e adequação da reprimenda, socialização do indivíduo e individualização da sentença penal. A sentença de mérito que o aplica classifica-se como constitutiva. O instituto está presente em sete dispositivos da Parte Especial do vigente Código Penal brasileiro, e ainda em mais outras oito hipóteses legais, sendo que essas quinze espécies constituem cinco classes nas quais podem ser agrupadas: Pena privada, Poena naturalis, Bagatela, Relevante valor moral e Colaboração Premiada. Em sua escalada evolutiva o perdão judicial, a par de se mostrar presente em cada vez mais dispositivos, vem se tornando uma causa genérica de extinção da punibilidade, sendo que cremos ser esse o rumo dos seus próximos passos, quiçá chegando até mesmo a consubstanciar uma flexibilização do direito de punir."
format Livro
author Aguiar, Leonardo Augusto de Almeida
title Perdão judicial
title_short Perdão judicial
title_full Perdão judicial
title_fullStr Perdão judicial
title_full_unstemmed Perdão judicial
title_sort perdão judicial
publishDate 2007
url http://bdjur.stj.jus.br/dspace/handle/2011/9960
_version_ 1673235028679589888
score 12,507602